.

English German Spain Italian Portuguese Japanese

O FILHO QUE EU ESCOLHI

| |

13 maio 2016


Quando decidi que finalmente queria ser mãe, considerei todas as alternativas possíveis – por incrível que pareça, tem pouca gente que faz isso!
Embora eu pudesse engravidar normalmente, pesei todos os prós e contras e fiz a minha primeira escolha importante relativa à maternidade: eu queria adotar uma criança.
Depois dessa, vieram muitas outras escolhas igualmente importantes. Escolhi ser indiferente à raça, cor, tipo de cabelo da criança que adotaria. Escolhi aceitar que tivesse um irmão. Ou irmã, porque também escolhi ser indiferente ao sexo das crianças. Escolhi que essas crianças não precisavam ser bebês recém-nascidos, mas sim podiam ter 3, 5, 7 ou até mais anos de vida.
Escolhi contar pra todo mundo a minha decisão e escutar os comentários preconceituosos. Escolhi lidar amorosamente com a ignorância das pessoas com relação à adoção.
Em vez de me revoltar ou reclamar sobre essa ignorância, escolhi um caminho diferente: escrevi o livro sobre adoção que eu gostaria de ter lido. O livro que eu achava que devia existir.
Hoje é um dia muito especial pra mim. Há exatamente cinco anos, eu fiz uma das escolhas mais importantes de toda a minha vida (talvez, a mais importante que jamais farei): eu escolhi o meu filho.
Naquele dia, recebi um telefonema no meio da tarde, em que a assistente social me perguntou se eu gostaria de conhecer uma criança que estava disponível para adoção.
Eu escolhi o sim.
E, algumas horas depois, quando estava com um pequeno bebê de apenas 20 dias nos meus braços, eu escolhi que aquele seria, pra sempre, o meu filho.
E naquele ínfimo segundo em que ele abriu os olhos e olhou dentro dos meus, eu tive a certeza de que ele, também, estava me escolhendo.
Essa sequência de escolhas me fez, pela primeira vez na vida, descobrir o que era o tal ~amor incondicional~ sobre o qual eu tanto já tinha lido, e que eu tanto já tinha buscado de milhares de outras formas, dentre elas meditações e práticas espirituais.
Foi só quando vi o tamanho do amor que eu era capaz de sentir por uma criança que eu não tinha gerado, gestado, parido ou amamentado, que era parecida comigo em absolutamente nada, foi só nesse momento que eu descobri o que era o Amor com A maiúsculo.
A partir daquele dia, há exatos cinco anos, eu passei a olhar para as pessoas na rua de forma diferente. Como se uma nova escolha que antes eu não enxergava tivesse passado a existir: a escolha de Amar aquelas pessoas como se elas, também, pudessem um dia ter estado nos meus braços de mãe e, mesmo sendo totalmente diferentes de mim, eu fosse capaz daquele Amor imenso. Incondicional.
Aquela sensação de flutuar pelas ruas no amor, encher os olhos d’ água ao  enxergar um chefe babaca, uma amiga, um gari ou a caixa do supermercado como uma criança única e especial que eu poderia ter um dia abraçado e amado e escolhido como meu filho, a sensação de que todos éramos um só, independente das raças, idades, crenças, histórias de vida e das escolhas que tínhamos feito na vida durou alguns meses.
Com o tempo, o trabalho, o estresse, as frustrações, a vida mesmo se encarregou de me jogar de volta pra matrix, de re-fragmentar tudo, de me fazer sentir isolada, Eu, eu-contra-os-outros, cada-um-por-si, cada-um-com-seus-problemas, uma peça perdida de um quebra-cabeças desconhecido.
Mas a memória daqueles meses nunca me deixou.E foi só muitos anos depois que consegui – de novo inesperadamente – voltar a sentir aquele Amor e de entender e enxergar com os olhos do coração que, por mais que eu seja eu, eu não existo sem você, assim como você não existe sem mim e nós não existimos sem todo o resto do que vive sobre esse planeta.
Isso aconteceu quando escolhi a minha vida nova.
E escolhi nunca mais esquecer dessa unidade, e nunca mais deixar de sentir esse Amor.
Então, hoje, toda minha gratidão vai pra meu pequeno mestre de cinco anos, que me faz rir, que ri de mim, que ri comigo, que me deu a permissão – que eu não sabia desnecessária! – pra voltar a ser criança, e que me ensinou a maior lição que aprendi até hoje.
O filho que eu escolhi mudou a minha vida.
Sempre, sempre, sempre pense em todas as suas alternativas e faça escolhas conscientes.
Porque elas podem vir a mudar a sua vida também.


 Creditos: Paula Abreu

© JOANA D'ARC - 2017. Todos os direitos reservados. Template criado por Digital Mix Design.Tecnologia do Blogger.